Dia da Liberdade

25 de abril de 2019 (quinta-feira)


25 de Abril

Feriado nacional, também conhecido como "Dia dos Cravos"ou "A revolução do 25 de Abril". Este feriado representa um movimento social e militar ocorrido em Portugal a 25 de Abril de 1974, que derrubou o regime político ditatorial da altura, o Estado Novo, activo desde 1933 , por António de Oliveira Salazar, que passou a ser Presidente do Conselho. Foram anos muito complicados para Portugal, com a implementação da censura e o controlo apertado da PIDE (a Policia Internacional e Defesa do Estado), em que o País esteve envolvido na guerra do Ultramar.



Em 1968, por motivos de doença, Salazar afastou-se do poder e colocou Marcello Caetano na frente do país. O Estado Novo continuou com a mesma política repressiva. No dia 25 de abril de 1974, um movimento militar derrubou o regime ditatorial que durou 41 anos. No total foram 48 anos em que o povo português viveu uma ditadura (militar e depois ditatorial).

História e Curiosidades

A revolução do 25 de Abril iniciou um processo que viria a terminar com a implantação de um regime democrático de base socialista e uma nova Constituição a 25 de Abril de 1976. O nome de “O dia dos Cravos” tem origem na História dos Cravos Vermelhos que conta que, no decorrer da revolução, uma mulher de nome Celeste Caeiro, empregada de um restaurante na Rua Branncamp, perto do Marquês de Pombal, em Lisboa, levava para casa um molho de cravos vermelhos. Os militares pediam aos populares comida ou cigarros e Celeste, não tendo mais nada para oferecer, ofereceu cravos. Os soldados acabaram por colocá-los no cano da espingarda.



Também a música “E depois do Adeus” ficou conhecida como um dos simbolos da revolução de Abril, uma música de Paulo de Carvalho para o Eurofestival da Canção de 1974. Esta tinha sido a música escolhida como senha que os militares precisavam de ouvir na rádio para saberem que a revolução estava pronta a arrancar. Havia ainda um segundo sinal a ser transmitido pela Rádio Renascença, caso tudo continuasse como planeado. Era a afamada música de "Grândola, Vila Morena", de Zeca Afonso, que se tornou no hino do 25 de Abril.